Parece incrível, mas Brasília existe há apenas 52 anos

Congresso ao fundo

Chegamos no centro político do país. Brasília depois de um pouco mais de 50 anos continua sendo uma grande incógnita nesse grande país que se parece com um ponto de interrogação (já viram o Brasil num mapa?) A cidade está explodindo, crescendo bastante e hoje, segundo o censo de 2010, é a quarta maior cidade do Brasil (não levando em conta a região metropolitana).

Ponte JK

Saímos de Patos de Minas e depois de algumas horas cruzando o oeste mineiro e o sudeste goiano, adentramos o Distrito Federal. Ao chegar em Brasilia, já é possível perceber as grandes rodovias, retornos e viadutos que dão o aspecto urbanístico do “Plano Piloto”de Lúcio Costa. A cidade é muito diferente de tudo o que nós vimos até agora, com muito verde (desenhado por Burle Max) e espaços amplos.
Mas por que JK decidiu mudar a capital do Rio pro meio do Planalto Central? Reza a lenda que desde antes da independência, Portugal pensava em mudar a capital do Brasil pro interior. A Constituição de 1891 (1a republicana) tambem pensou em transferir o poder politico, mas foi Juscelino que fincou o pé. Se a idéia foi povoar a região inabitada ou tirar o poder político dos grandes centros populacionais da época para evitar golpes, não se sabe. O fato é que a “Cidade Brasília” deu certo.

Deu certo, por que depois de 52 anos, é uma cidade grande e parece ser bem organizada, mas que sofre como qualquer outra cidade brasileira com o caótico trânsito. Niemeyer que construiu os mais importantes edifícios, ficou mais em destaque que Lúcio Costa e ainda leva os louros nos altos dos seus 104 anos. Particularmente, acho a cidade um pouco asséptica e estéril, meio sem cara de Brasil, mas não há como negar que Brasília carrega uma imponência interressante.

Visitamos o Conresso Nacional, a Catedral e o Palácio do Itamaraty . Todos feitos por Niemeyer. A Catedral é única, com diversas cores com seus anjos suspensos no céu, nem parece ser uma igreja. Nada melhor que um comunista desenhar um espaço desses. O Palácio do Itamaraty que é a sala de visitas pros chefes de Estado estrangeiros, foi o que mais nos impressionou e foi a melhor visita. Já o Congresso, bem… fica difícil ver o Congresso com outros olhos. Antes de entrar, meu pai disse pra prestar atenção nas carteiras, pois é o lugar mais perigoso do país. É triste ver tanta boa intenção ser direcionada pros interesses de tão poucos.

Saímos todos tristes da visita, mas logo ficamos felizes, pois nos perdemos ao tentar encontrar nosso hotel e no processo, bem de relance, Dr. Ormando viu um bar onde se vendia uma codorna sensacional. A festa tava feita, muita cerveja e conversas mil.

Lente distorcida no Itamaraty

Nos despedimos logo mais à noite, pois partimos muito cedo em direção à Cuiabá. Esses 7 dias de viagem foram excepcionais. Companhia boa, papo bom, descobrindo nosso país que é tão bonito. Muitas coisas aconteceram, como: o medo de descer ladeira em Ouro Preto, a raiva de restaurante que não vende cerveja, entender o processo de confecção de pamonha, tentar comer guariroba, descobrir o gosto de orapronobris, visitar mil igrejas, e se impressionar com os campos de Minas e Goiás. No final, não existe melhores companheiros de viagem. Espero vê-los logo, em mais uma dessas, porque explorar o mundo ao lado de pessoas como vocês torna nossa experiência muito mais especial. Saudades.

Pra mais fotos de Brasilia, clique aqui.
“A hora do encontro
É também, despedida
A plataforma dessa estação
É a vida desse meu lugar
É a vida desse meu lugar
É a vida…”
Milton Nascimento.

 

This entry was posted in BraSil and tagged , , , , , . Bookmark the permalink.

3 Responses to Parece incrível, mas Brasília existe há apenas 52 anos

  1. Telma says:

    Ei Marcelo, esqueceu que ficamos presos no elevador da torre de TV. Susto grande!!!!
    Passeio fantástico com companheiros especiais. Muita saudade. Um grande beijo

  2. Alexandre says:

    Bom DEMAIS!!!

  3. Lia Campos says:

    O que diabo é orapronobris?

Comments are closed.